O esquecido


A cada semana a professora elegia um estudante para ser o ajudante da turma.

A cada semana ele esperava ser escolhido.

Um ano inteiro. Mais de 52 semanas. Como era possível que ele nunca fosse o ajudante?

Ansiosamente, ele esperava aquele momento. Já chegara até a sonhar com a professora chamando o seu nome. Os colegas bateriam palmas. A foto dele iria para o mural. Ele apagaria o quadro. Ele buscaria o giz. Ele ajudaria a professora a carregar os livros.

Mas nada disso.

Semana após semana ele renovava as esperanças e ia novamente para casa sem sucesso.

Ele já estava com medo de ser alvo de deboche dos colegas e da escola. Mas não. Ninguém notava que ele não era lembrado.

Apenas o esquecimento incômodo. E o esquecimento, embora silencioso, gritava dentro dele.

Evidentemente ele cresceu. Que escolha tinha?

Hoje ele tem um trabalho. Família. Amigos. Ele escolhe o que quer para sua vida.

Exceto pelo chefe.

Todos são escolhidos para homenagens e promoções.

Menos ele.

Mas ele aguarda. Sente no fundo do coração que um dia vão lembrar do nome dele. E os colegas vão bater palmas. A foto dele irá para o mural.

Publicado por

Bianca Menti

Se você chegou até aqui procurando respostas, sinto muito, mas eu também não as tenho. (Tampouco acredito que alguém possa nos ajudar neste quesito). O engraçado é que quanto mais certeza eu tenho sobre esse fato, menos medo eu sinto. A vida é mesmo essa inquietude infinita que nos move sem termos muita segurança! Que assim seja, vamos desfrutá-la!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.