Abandonar


Inúmeras vezes a tentação é de abandonar. Abandonar a si mesmo, abandonar os sonhos, abandonar e fugir. Correr. Se esconder debaixo da coberta naquela cama familiar. 

Quando ele era menino e não queria enfrentar uma prova na escola, fingia estar doente e abandonava, ainda que temporariamente, aquele compromisso. Porém, o tempo passou e o menino virou adulto. Não podia contar mais com a cumplicidade de seus pais e abandonar os compromissos do dia a dia. Tinha contas a pagar.

Com doença de verdade ou de mentira, ia trabalhar. Gostando ou não de certas pessoas, agia diplomaticamente e mantinha a educação, embora sem muita honestidade. Mas se dava ao luxo de abandonar alguns compromissos, ficando em casa, quando a vontade de sair se esvaía num sábado à noite. 

E nessa dança de cumprir com as obrigações e não abandonar as tarefas que a vida lhe impunha, não sabia dizer se apenas havia se tornardo adulto ou era o menino o verdadeiro abandonado no caminho. 

Publicado por

Bianca Menti

Se você chegou até aqui procurando respostas, sinto muito, mas eu também não as tenho. (Tampouco acredito que alguém possa nos ajudar neste quesito). O engraçado é que quanto mais certeza eu tenho sobre esse fato, menos medo eu sinto. A vida é mesmo essa inquietude infinita que nos move sem termos muita segurança! Que assim seja, vamos desfrutá-la!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.