O valor da dor

Ao longo da vida todos sofrem decepções e perdas. Porém, algumas dores parecem fazer marcas mais profundas na alma. Certas feridas demoram mais para curar, precisam de maior atenção e carinho. Ninguém ensina a arte da medicina para sarar o coração, não existe faculdade para isso. As pessoas nascem e vão crescendo, aprendendo a lidar com as dores que surgem pelo caminho e seus machucados resultantes.

Numa certa noite de verão, que parecia ser apenas mais uma, aquela menina sofreu sua maior dor até então. Não dependia dela evitar aquilo, estava nas mãos de outras pessoas. E nem sempre os outros se importam se irão magoar alguém, simplesmente o fazem. O fato é que aquele momento abriu uma ferida muito grande em seu peito e levou muito tempo para formar uma cicatriz enorme.

Muitos anos se passaram, a menina buscou ajuda, mas já era tarde: a cicatriz havia aprofundado suas raízes moldando todo o seu ser. Às vezes, ela se pega imaginando como seria sua vida se não tivesse saído naquela noite. Que outros traumas teria em seu coração? Quais dores diferentes enfrentaria sua existência?

Mas não adiantava imaginar outros passsdos – já estava feito. Pelo menos ter cicatrizes significava que estava viva, afinal o corpo reagia aos estímulos que o mundo produzia. 

Publicado por

Bianca Menti

Se você chegou até aqui procurando respostas, sinto muito, mas eu também não as tenho. (Tampouco acredito que alguém possa nos ajudar neste quesito). O engraçado é que quanto mais certeza eu tenho sobre esse fato, menos medo eu sinto. A vida é mesmo essa inquietude infinita que nos move sem termos muita segurança! Que assim seja, vamos desfrutá-la!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.