Esperança 


Desde criança compartilhava consigo mesma um momento mágico, o final do ano. Não importava como havia encarado os meses até ali, nem as incontáveis decepções. O momento de fim de ano acendia uma lâmpada que a iluminava por dentro e o caminho daqueles que passavam por ela.

Era faltar pouco para o ano acabar e a energia ao seu entorno sofrer mutações, os cheiros, cores e até mesmo o tempo. As pessoas ficavam cada mais aceleradas, porém parecia que surgia mais tolerância, sentimentalismo e até alguns perdões.

À medida que apertava os dias para a virada simbólica do tempo, cedia mais espaço para o olho no olho, os abraços e reencontros. Tudo poderia acontecer nesse tempo que antecedia o final e o recomeço. 

Ela sentia tudo isso e também mudava, se abrindo para o novo, para a ressignificação, para respirar fundo e dar mais uma chance. Uma atmosfera de luz lhe cobria e acalmava o coração, tudo era possível nessa época.

O ato de esperar e de se entregar com todo o coração, também conhecido como esperança.

Publicado por

Bianca Menti

Se você chegou até aqui procurando respostas, sinto muito, mas eu também não as tenho. (Tampouco acredito que alguém possa nos ajudar neste quesito). O engraçado é que quanto mais certeza eu tenho sobre esse fato, menos medo eu sinto. A vida é mesmo essa inquietude infinita que nos move sem termos muita segurança! Que assim seja, vamos desfrutá-la!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.