O rejeitado

Aquele rio era o local preferido dos pescadores da cidade. Em dias de sol, era comum ver as famílias chegando e lotando as margens do rio. 

Os caniços eram arremessados com vontade e os peixes emergiam da água após uma espera atenta e ansiosa. Parecia um ritual estranho dos tempos modernos: pessoas esperando por uma resposta da natureza, a seu tempo e desejo.

Conforme passava o dia e os peixes eram pescados, algo estranho acontecia. Quando um bagre era o azarado da vez, era sempre devolvido. Todos os pescadores e a mesma exclusão com o bagre, ninguém queria comê-lo.

Parecia uma condição triste que ninguém o aceitasse e prestigiasse como aos outros, porém isso o mantinha vivo. Já parou para pensar que não ser o preferido pode te livrar de problemas?

Publicado por

Bianca Menti

Se você chegou até aqui procurando respostas, sinto muito, mas eu também não as tenho. (Tampouco acredito que alguém possa nos ajudar neste quesito). O engraçado é que quanto mais certeza eu tenho sobre esse fato, menos medo eu sinto. A vida é mesmo essa inquietude infinita que nos move sem termos muita segurança! Que assim seja, vamos desfrutá-la!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.