Vidro

Eu estava lá sentada e de repente alguma coisa dentro de mim quebrou. Naquele papel confrontei as minhas verdades e aquilo me doeu. Não por que era injusto, mas porque fazia total sentido. Como um espelho, apalpei meu passado no reflexo diante de mim. Não pude fugir. Eu estava ali à frente despida de todas as máscaras e personas que eu havia criado para me proteger do mundo e de todos. Aos poucos tudo foi voltando e abrindo caminho forçando lágrimas, pulmões e músculos.

Fiquei ali exposta. Doída. Ainda assim foi bom, estava cansada de fugir. Deixei meu vidro se quebrar em mil pedacinhos e não fiz questão de juntá-los. Tentar colar só me fragilizaria mais.

Tinha terminado. Finalmente poderia parar de correr. Fui ao meu encontro. Respirei fundo e chorei. Demorei no meu abraço, já fazia anos que não me via com tanta transparência.

Publicado por

Bianca Menti

Se você chegou até aqui procurando respostas, sinto muito, mas eu também não as tenho. (Tampouco acredito que alguém possa nos ajudar neste quesito). O engraçado é que quanto mais certeza eu tenho sobre esse fato, menos medo eu sinto. A vida é mesmo essa inquietude infinita que nos move sem termos muita segurança! Que assim seja, vamos desfrutá-la!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.