Inspiração

Algo curioso aconteceu com ele. Ele, sempre modesto, sempre silencioso e até mesmo um pouco inseguro, descobriu que era inspiração para alguém.

De início, ficou desconfiado – como gato escaldado que era. Depois vieram outros e mais outros que o notavam – apesar da sua presença discreta – e reconheciam nele talento e um certo dom para abordar as angústias mundanas.

A sensação não era nova, já havia experimentado esse reconhecimento com gosto de chocolate apimentado – doce e um pouco ardido. Ainda assim não havia aprendido a lidar com ela… tão sedutora e carinhosa.

Se permitiu saborear o momento de ser agraciado pelos elogios e ações que brotavam inspirados pelo seu trabalho – afinal, um pouco de auto estima não faria mal pra ninguém.

Deixou-se levar pela cabeça desanuviada e o peito faceiro… Logo logo voltaria a se sentir da mesma forma familiar e excêntrica.

Publicado por

Bianca Menti

Se você chegou até aqui procurando respostas, sinto muito, mas eu também não as tenho. (Tampouco acredito que alguém possa nos ajudar neste quesito). O engraçado é que quanto mais certeza eu tenho sobre esse fato, menos medo eu sinto. A vida é mesmo essa inquietude infinita que nos move sem termos muita segurança! Que assim seja, vamos desfrutá-la!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.